LETRAS JURÍDICAS EM DESTAQUE NO CENÁRIO CULTURAL DO MARANHÃO

Assembleia Geral realizada na sede da Casa Clodomir Cardoso
A Academia Maranhense de Letras Jurídicas (Casa “Clodomir Cardoso”) reelegeu por aclamação na última terça, dia 22, o Advogado Júlio Moreira Gomes Filho para permanecer na presidência da instituição no biênio 2022-2024. A Assembleia Geral em formato híbrido, presencial e on line, ocorrida na sede da Casa Clodomir Cardoso foi palco da eleição para a diretoria e conselho fiscal durante o próximo biênio, e também de homenagens pelo aniversário de 36 anos de sua fundação, ocorrida no dia 22 de fevereiro de 1986.

Na mesma Assembleia, o Presidente reeleito defendeu a indicação de Sócio (Membro) Correspondente ao Acadêmico Mário Lincoln Félix Santos, um dos fundadores da AMLJ, que reside na cidade de Curitiba-PR desde a década de 1980, e de Sócio (Membro) Benemérito ao Vereador Osmar Filho, Presidente da Câmara de Vereadores de São Luís, que acolheu o pleito da Presidência da Academia, consubstanciado no projeto de Lei que culminou com o reconhecimento da referida instituição como Entidade de Utilidade Pública. Em continuidade aos trabalhos, e atenta ao item 05 do edital, a diretoria da Academia inaugurou a Galeria de Patronos, conforme previsto no artigo 29, do Estatuto Social vigente.

Ao final, o presidente Júlio Gomes fez um breve relatório das atividades e conquistas durante o biênio 2020-2022, a exemplo do título de Entidade de Utilidade Pública conforme disposto na Lei Municipal nº 6.911/2021, o espaço mais amplo e equipado para a sede da Academia nas dependências da OAB/MA, a inauguração da galeria de Ex Presidentes, a inauguração da galeria de Patronos, inserção da Academia nas redes sociais, aprovação do lay out e confecção da Medalha do “Mérito Acadêmico”, eleição e posse solene de 03 novos acadêmicos, proposição do nome do imortal Clodomir Cardoso, como designação para a sede da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, Convênios, a exemplo do firmado com a Viegas Editora, ampla divulgação da produção acadêmica dos membros da instituição, campanha de doação de livros para a biblioteca “Aníbal Faria”, do Instituto Beneficente “Áurea Faria”, dentre outros avanços que segundo ele fortalecem a imagem da instituição no cenário local e nacional, além de despertar o interesse de toda uma geração de juristas, sobretudo, maranhenses, para as atividades acadêmicas.

Júlio Moreira Gomes Filho reeleito presidente da Academia Maranhense de Letras Jurídicas
CASA CLODOMIR CARDOSO

A Academia Maranhense de Letras Jurídicas (Casa “Clodomir Cardoso”) foi fundada em 22 de fevereiro de 1986, numa solenidade realizada na antiga sede da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão, na Rua do Alecrim, no Centro desta capital, com a presença de vinte e quatro membros fundadores, vários destes ainda em plena atividade acadêmica nos dias atuais. É filiada a Academia Brasileira de Letras Jurídicas, e teve como primeiro presidente o Dr. Wady Sauáia, advogado, jornalista e professor, que permaneceu no cargo até sua morte, em 1995. Na sequência assumiram como presidentes os ilustres juristas Lourival de Jesus Serejo, atual presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, José Carlos Sousa Silva, advogado e professor, Roque Pires Macatrão, advogado, Ana Luiza Almeida Ferro, promotora de justiça e 1ª mulher a ocupar a presidência da Academia, Raimundo Ferreira Marques, advogado, e João Batista Ericeira, também advogado e professor.

O atual presidente, advogado Júlio Moreira Gomes Filho, indagado sobre os avanços durante sua administração, disse que assumiu a direção da AMLJ em fevereiro de 2020, e que desde então vem trabalhando em várias frentes, notadamente na aproximação cada vez maior entre a Academia e a sociedade maranhense, através da difusão da produção acadêmica de seus membros, como artigos, lives, palestras on line, seminários, e também de convênios nos mais variados segmentos, a exemplo da parceria firmada com algumas instituições de ensino superior, e editoras.

A Casa “Clodomir Cardoso” tem sua sede histórica nas dependências da Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil, e hoje conta com 38 membros, sendo que no decorrer deste ano, o presidente já confirmou a publicação dos editais para preenchimento das cadeiras 20 e 24, vagas em razão do falecimento dos confrades Henrique Pereira, e Almada Lima.

Postar um comentário

0 Comentários